terça-feira, 11 de julho de 2017

OS INIMIGOS DA ORAÇÃO

“Daniel, pois, quando soube que o edito estava assinado, entrou em sua casa (ora havia no seu quarto janelas abertas do lado de Jerusalém), e três vezes no dia se punha de joelhos, e orava, e dava graças diante do seu Deus, como também antes costumava fazer.” Dn 6.10

“Orar não é uma opção, orar é uma decisão” Marcos Gama

“O diabo derrota a maioria das orações antes que elas aconteçam.” John Piper

Paz do Senhor a todos os visitantes do nosso blog. Quero hoje compartilhar um pouco da mensagem que O Senhor nos deu em nosso culto de gratidão, terças feiras de avivamento. Espero que Deus fale com você como falou com cada um de nós que estivemos neste culto.

Certamente há muitos estudos e mensagens de incentivo, ou mesmo de exortação a oração, a e uma vida de busca incessante Ao Senhor, mas como disse John Piper, a orações estão sendo derrotadas antes de serem feitas.

Hoje é notória a ausência de crentes nas reuniões de oração, muito se fala, mas pouco de ora, e isso está destruindo a Igreja do Senhor. Alguns dizem que isso é normal, pois devido o mundo moderno ser muito cheio de atividades e compromissos não nos resta tempo para orar. Porém quando olhamos para Daniel e o contexto em que ele vivia e seu histórico de vida, entendemos que há inimigos para a oração e principalmente como vencê-los.

O primeiro inimigo da oração e a exaltação ou prosperidade. Não estou dizendo que ter sucesso, ou ser prospero é pecado ou mesmo destrói nossas orações, estou dizendo que se deixarmos pode ser um grande inimigo. Vejamos Daniel, estadista, líder dos presidentes, fazia parte dos três assessores mais chegados do rei Dário no recente governo medo-persa. Daniel por sua capacidade e responsabilidade foi cotado para ser o superintendente de todos os presidentes do governo de Dário, mas todos estes compromissos, responsabilidades, pressões e realizações, bem como a prosperidade de sua carreira não conseguiam lhe tirar de seu momento de oração. O texto bíblico diz que “...e três vezes no dia se punha de joelhos, e orava, e dava graças diante do seu Deus, como também antes costumava fazer.” Dn 6.10

O segundo inimigo da oração é as perdas, pois quando atravessamos momentos de perdas ou frustrações desanimamos da fé e logo deixamos de clamar Ao Senhor. Muitos durante um processo de perdas e aparentes derrotas deixam de acreditar em Deus e em suas promessas e essas dores sufocam nossa comunhão e nos leva ao abandono de nossa vida de oração. Mas quando olhamos para Daniel vemos que nem mesmo as guerras, lutas e perdas conseguiram lhe desviar do propósito de buscar Ao Senhor. Daniel foi levado cativo para a Babilônia muito jovem, perdeu pai, mãe e muitos amigos, certamente como membro da realeza judaica tinha muitos sonhos, porém tudo de uma hora para a outra foi tudo embora, porém mesmo estando na Babilônia, como escravo não deixou de crer e muito menos de orar, pois As Escrituras dizem que “...e três vezes no dia se punha de joelhos, e orava, e dava graças diante do seu Deus, como também antes costumava fazer.” Dn 6.10

Um outro inimigo da oração são as calúnias e perseguições, isso é muito comum ver acontecer, pois quando somos traídos ou alguém inventa algo sobre nós, ficamos tão perplexos e abatidos que perdemos as forças e deixamos nos levar pelas situações. Mas Daniel novamente nos dá uma lição de perseverança, pois quando ele foi traídos pelos seus colegas de trabalhos que idealizaram e colocaram em prática um plano contra sua fé, Daniel não se deixou vencer pela maldade dos outros “...e três vezes no dia se punha de joelhos, e orava, e dava graças diante do seu Deus, como também antes costumava fazer.” Dn 6.10

Devem ter muitos outros inimigos da oração, mas quero concluir este texto falando do último inimigo que a meu ver é um dos grandes vilões da oração, que é o medo. O medo trava nossas forças e nossas ações, o medo é um paralisante de tudo em nós. O medo muitas vezes quer bloquear nossa fé e impor seu domínio. Medo de perder, medo de ganhar, medo de agir, medo de ficar parado, medo de obedecer, medo de fazer o que foi pedido, medo, medo, medos....

Daniel fora ameaçado por um edito real que obrigava ele a deixar de orar e ameaçava uma cova de leões se ele decidisse continuar orando e desobedecer ao edito real. Um edito que queria influenciar uma dependência a outro “deus”, um “deus” humano, político e guerreiro, um deus secular e aparente, um deus que alimentado pelo orgulho decide que todos devem orar só a ele, embora ele não seja Deus. O Rei Dário queria ser deus durante um mês, mas não para Daniel.

O medo do edito não impediu de Daniel orar, o medo do rei Dário não impediu Daniel orar, o medo da cova dos leões não impediu Daniel de orar, o medo da morte não impediu Daniel de orar, pois como o texto diz “Daniel, pois, quando soube que o edito estava assinado, entrou em sua casa (ora havia no seu quarto janelas abertas do lado de Jerusalém), e três vezes no dia se punha de joelhos, e orava, e dava graças diante do seu Deus, como também antes costumava fazer.” Dn 6.10


A oração é a chave para que não percamos nossa identidade nem a nossa fé. Quando oramos o mundo é vencido, a soberba é humilhada, as dores e perseguições são amenizadas e o medo, ainda que presente não congela nossas almas, pois temos a certeza que O Deus que conversa conosco em todas as orações, está conosco em todas as ocasiões.

Na graça do Mestre, Paz!


sexta-feira, 30 de junho de 2017

Estudo as Heranças Espirituais

Introdução

·         A relação de Paulo com Timóteo “Meu verdadeiro filho na fé” I Tm 1.2;
·         O Conheceu na sua segunda viagem missionária, na cidade de Listra – At 16.1;
·         A Espiritualidade de Timóteo:
    Toda a região onde morava davam bom testemunho da sua vida – At 16.2;
    Ajudante de Paulo em suas viagens – At 16.3; At 17.14-15; At 18.5; At 19.22; At 20.4;
    Paulo o chamou de:
§  Cooperador – Rm 16.21;
§  Fiel – I Co 4.17;
§  Trabalhador da Obra – I Co 16.10;
§  Companheiro – II Co 1.1;
    Era Ministro de Deus e do Evangelho – I Ts 3.2;
    Auxiliou Paulo em suas prisões – Fm 1.1;
·         Sua Família era composta de:
    Mãe Judia, Eunice, e de um pai grego (Pagão) – At 16.1;
    Sua vó Loide também Judia;
    Moravam em Listra, uma das cidades da Licaônica – Àsia Menor;
·         Que Herança a família de Timóteo deixou para ele?
    O Pai era grego, um pagão – Herança grega (Filosofia, Pluralismo de ideias, vários deuses e vida centrada em si);
    Loide deixou uma herança a Eunice;
    Eunice deixou uma herança para Timóteo;

QUE HERANÇA FOI DEIXADA PARA TIMÓTEO POR SUA MÃE E AVÓ?

UMA FÉ NÃO FINGIDA!

MAS O QUE É UMA FÉ NÃO FINGIDA?

1.    O que é fé?
a.     Tipos de Fé:
                                                               i.      Natural;
                                                             ii.      Salvifica – Rm 1.1;
                                                            iii.      Dom do Espírito – I Co 12.9;
                                                          iv.      Como procedimento de vida – Rm 1.8; Cl 1.3-8;
b.     A fé de Loide e Eunice
                                                               i.      Eram inicialmente Judias;
                                                             ii.      Guardavam os preceitos do Judaísmo;
1.      Adoração ao único Deus – Êx 20.1-3;
2.      Submissão aos ritos e festas;
3.      Ida ao Tempo;
4.      Os três períodos de orações diárias;
5.      A submissão ao marido;
6.      O cuidado com o Lar;
7.      Mulheres Virtuosas – Pv 31;
                                                            iii.      Apesar do Judaísmo ser uma religião machista, elas eram dedicadas e tinham bom testemunho de sua fé – II Tm 1.3-5;
2.    O que é uma Fé não fingida?
a.     Exclusiva – Êx 20.1-3; Mt 6.33;
b.     Sem hipocrisia – I Rs 18.21; Is 29.13; Mt 15.8-9;Mc 7.6-8;
c.     Fundamentada na Palavra – Mt 7.24-27;
d.     Alicerçada – At 2.42;
e.     Solidária – At 9.36; (Dorcas)
f.        Temente a Deus e sensível Ao Evangelho  – At 16.14 (Lídia a vendedora de púrpura)
g.     Espiritual – At 21.8-9;(As 4 filhas profetizas do Ev. Felipe)

Conclusão

Que heranças você está deixando para seus filhos e amigos?
“Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele.” Provérbios 22:6
A História de Susanna Wesley, Mãe de Jhon Wesley[1]
“Dizem que, se John Wesley foi o pai do Metodismo, Susannah foi à mãe. Ela é apontada como a maior influência religiosa do filho, condutor de uma grande obra de avivamento na Inglaterra do século 18.”
Fonte: http://www.intercessoras.com.br/noticias/historias-de-vida/item/437-o-minist%C3%A9rio-de-susanna-wesley.html

Apelo:

Dedique sua vida Ao Senhor sem fingimento e isso será o maior bem que seus filhos podem ter.







[1] John Wesley (Epworth, Inglaterra, 17 de junho de 1703  Londres, 2 de março de 1791) foi um clérigo anglicano e teólogo cristão britânico, líder precursor do movimento metodista e, ao lado de William Booth, um dos dois maiores avivalistas da Grã-Bretanha.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

O EVANGELHO

"E dizendo: O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo. Arrependei-vos, e crede no evangelho." Mc 1.15

Paz do Senhor a todos os visitantes deste blog de crescimento espiritual. Quero hoje, com muito temor falar um pouco sobre O Evangelho, meu objetivo é apresentar o que realmente As Escrituras expressam sobre esta palavra.

Pensei em fazer este post devido a tanta confusão sobre o que realmente vem a ser O Evangelho. Sei que não sou o dono da verdade, mas sei que O É. E sei o que As Escrituras apresentam, dentro de um contexto neotestamentário.

Quero iniciar apresentando a etimologia da palavra Evangelho. Faço uso de um trecho do livro "Introdução ao Novo Testamento" de Louis Berkhof, editado pela CPAD em 2014. Na introdução deste livro, na página de número 21, vemos uma apresentação etimológica desta palavra destacando o seguinte:

"A Palavra EVAGGELIOV passou por três fases na história do seu uso. Os autores gregos antigos a usavam com o significado de uma recompensa por trazer boas notícias; também um agradecimento pelas boas notícias trazidas. Mais tarde indicou a própria boa notícia. E finalmente foi empregada para designar os livros em que O Evangelho de Jesus Cristo é apresentado de forma histórica. Ela é usada extensivamente no Novo Testamento, sempre no segundo sentido, significando as boas novas de Deus que é a mensagem da salvação." 

Mas qual a boa notícia que O Evangelho nos trás?

Será que a boa notícia é de que tudo o que quero Deus é obrigado a me dá?

Será que é a promessa de riqueza?

Será que a "boa notícia" é que neste mundo, não terei mais choro?

Qual é a boa notícia?

O Evangelho apresentado hoje em muitos púlpitos tem se revelado destituído de toda a escanência escriturística. Há hoje muitos "evangelhos" para todos os tipos de gosto e necessidade.

O Evangelho da Riqueza, o evangelho da permissividade, o evangelho da ditadura, o evangelho das possibilidades pessoais, o evangelho coaching,   o evangelho da malandragem, o evangelho da guerra, evangelhos, evangelhos, evangelhos ....

A grande maioria deles estão centrados no bem estar pessoal e familiar, onde os aspectos escriturísticos servem apenas para as ovelhas, mas os ditos pregadores destes evangelhos, apenas usufruem de seus ouvintes incautos e os leva a destruição.

Mas qual a boa notícia que o Evangelho nos trás?

Evangelho tem haver com o nosso estado de pecado herdado de Adão.

Evangelho tem haver com nossa incapacidade de sermos salvos por nossos méritos. 

Evangelho tem haver com a ira de Deus contra o pecado.

Evangelho tem haver com O Grande amor de Deus em enviar seu filho como sacrifício.

Evangelho tem haver com a graça com a qual o Eterno Deus da vida nos presenteou através do martírio de Cristo no calvário.

Evangelho tem haver com o grande amor de Deus de nos conceder uma tão grande salvação.

Evangelho tem haver com a longanimidade de Deus em suportar nossa rebeldia contra seus eternos decretos.

Evangelho tem haver com o resgate pago por todos os homens.

Evangelho tem haver com o poder santificados da Palavra de Deus.

Evangelho tem haver com a vinda do Espírito santo sobre nós, proporcionando salvação, conversão, santificação e preparação para uma vida eterna.

Evangelho tem haver com a graça diária que nos leva a presença do Todo poderoso em Oração.

Poderia colocar vários versículos em cada citação acima, mas acredito que a grande maioria não iriam ver nas Escrituras se de fato assim o é. 

As Escrituras apresentam um evangelho que se desdobra em vários outros evangelhos por assim dizer....

O Evangelho da Renúncia;

O Evangelho da Cruz;

O Evangelho do arrependimento;

O Evangelho do perdão;

O Evangelho da Fé;

O Evangelho do Amor;

O Evangelho da misericórdia;

Posso apresentar muitas expressões parecidas, mas quero me deter e terminar dizendo que O EVANGELHO É O PODER DE DEUS PARA A SALVAÇÃO DE TODO AQUELE QUE NELE CRER......


terça-feira, 23 de maio de 2017

SAL INSÍPIDO

"Vós sois o o sal da terra; ora, SE O SAL VIER A SER INSÍPIDO, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens." Mt 513

Paz e graça a todos os nossos visitantes, que nos dão o prazer de estarmos juntos meditando na poderosa Palavra de Deus.

Que O Senhor lhes abençoe poderosamente com mais este post sobre a nossa vida cristã. E acredito que O Senhor, nos modelará em Cristo.

O Mestre Jesus sempre surpreendeu aqueles que O ouviam, e isso ocorria, pela simplicidade de suas Palavras e pela profundidade de suas verdades. O Senhor utilizava coisas do cotidiano comum e as usava para aplicar os conceitos do Reino de Deus. Dentre estes usos, Cristo usou o SAL como objeto de ensino, porém, Ele deu um adjetivo a este sal quando afirmou que  "SE O SAL VIER A SER INSÍPIDO", ou seja, O Senhor Jesus deu um destaque ao produto em estudo, "INSÍPIDO".

O sal tem uma composição química simples, na ciência ele é conhecido como Cloreto de Sódio (NaCI). "O sal é essencial para a vida animal e é também um importante conservante de alimentos e um popular tempero..."

"Embora a maioria das pessoas esteja familiarizada com os vários usos do sal na culinária, desconhece que a substância é utilizada em várias outras aplicações, como a manufatura de papel e a produção de Sabão e Detergentes.
No norte dos Estados Unidos e na Europa são utilizadas grandes quantidades de sal para limpar as rodovias do gelo durante o inverno, pois este baixa a temperatura do ponto de fusão da água. A temperatura de fusão da água é de 0°C mas, quando o sal entra em contacto com o gelo, a fusão ocorre a uma temperatura inferior a esta.
É utilizado em larga escala na produção de hidróxido de sódio, cloro, hidrogênio e indiretamente ácido clorídrico por eletrólise de sua solução aquosa (processo cloro/álcali).
O sal também é utilizado para a produção de gás cloro e de sódio metálico, através da eletrólise ígnea. Além disso, este mineral é o de maior utilidade aplicada entre todos, sendo utilizado em mais de 16 mil formas diferentes." Fonte wikipedia

Cristo nos trás outro uso para este componente químico, o seu uso PEDAGÓGICO/ESPIRITUAL e é dentro deste viés que estaremos falando um pouco sobre a PERDA DO SABOR DO SAL.

Dentro do contexto do Sermão do Monte", em que Cristo está afincando as bases do cristianismo, relatando com exemplos e parábolas as preciosidades dos ensinos concernentes ao Reino de Deus, o sal é comparado com o discípulo de Cristo, o qual, através de sua vida, trás sabor a um mundo em decomposição. Porém, O Senhor não está falando do poder que o cristão tem em ser um componente de conversação,  Cristo está chamando a atenção, neste ensino, para a perda deste poder, quando diz "SE O SAL VIER A SER INSÍPIDO".
Mas qual o problema? Alguém pode perguntar, e o próprio texto de Mateus explica, o sal insípido "PARA NADA MAIS PRESTA", ou seja, há uma exortação de Cristo sobre a perda da influência do cristão no mundo, o perigo de não estarmos cumprindo o propósito de nossa existência quando servos de Deus.
Certamente esta exortação é bem contemporânea, haja vista que temos hoje uma igreja que não consegue conservar seus princípios em meio a uma sociedade em acelerado estado de putrefação. Nem tão pouco, ela tem barrado a deterioração social do meio que vive.
Alguns vão comentar, isso mesmo pastor, há muitas denominações que não cumprem seu papel, mas meu foco não é as "denominações" e sim a igreja como sendo cada um de nós. isso mesmo, chega de passar a responsabilidade para os outros, e nós? Nós temos sido relevantes em nosso meio social/evangélico? Temos sido notórios em nossa prática cristã, a qual serve de CONSERVANTE para este mundo? 
Não podemos nos excluir da culpa e sim, voltar a exortação, pois os homens tem pisado a igreja com seus conceitos mundanos e esta mesma igreja não tem tido a força para resistir a este mal.
Minha oração e anelo é por um avivamento, não apenas religioso e dento dos templos, mas um avivamento que inicie dentro dos templos e exploda no meio social, barrando a podridão deste mundo e preparando a igreja para a vinda do Nosso Amado Jesus.

Igreja, vós sois o SAL DA TERRA!

Paz do Senhor.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

ACIMA DAS CRISES!

"Porque ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado; Todavia eu me alegrarei no Senhor; exultarei no Deus da minha salvação." Hc 3.17,18

Paz do Senhor a todos os nossos leitores e visitantes de nosso blog de crescimento espiritual. Hoje temos um tema bem atual. A CRISE. Isso mesmo, Crise. Eu sei que em momentos como estes que vivemos, onde países inteiros estão em crise, quer sejam econômicas, partidárias, institucionais, diplomáticas, morais, religiosas, éticas, bélicas e tantas outras que transformaria este post em uma lista de medo e tristeza.

Muitas vezes focamos na crise e não meditamos qual o porquê desta situação. Como não mencionar as várias crises que As Escrituras mencionam e como elas foram administradas e vencidas. Como não citar O Livro de Juízes, que retrata as crises terríveis que o povo de Israel atravessaram durante um período de aproximadamente 400 anos, quando inimigos como midianitas, filisteus, amalequitas e tantos outros que oprimiram a Israel, com alternâncias de períodos de paz e de crises.

Crises, crises e crises, essa palavra já gera mais crise, porém no fragmento do texto Bíblico do Livro de Habacuque que estamos utilizando para este post nos ensina algo que nos desperta a atenção sobre as CRISES.

Habacuque vivenciou um período de muitas crises também, e com Habacuque havia um agravante, pois quando o profeta questiona a Deus o porquê de tantas coisas ruins acontecerem em Israel e aparentemente O Senhor não tomar uma atitude, O Senhor responde que o castigo já está vindo sobre seu povo como uma ação disciplinar, para isso O Senhor estava trazendo sobre Israel os caldeus, inimigos de israel, para os disciplinar. O profeta indaga como usar alguém pior do que o povo para disciplinar o povo? A resposta é simples, Deus usa de quem quer em seus propósitos, e neste momento a vinda dos caldeus ampliaria a crises de forma extrema, porém Habacuque entende a ação de Deus e no capitulo 3 faz uma oração em forma de cântico pois sabia que os planos do Senhor, ainda que não entendamos são os melhores.

Habacuque nos ensina como deve ser nossas atitudes em meio as crises, pois ele expressa sua fé, ele diz:

Porque ainda que...

 a figueira não floresça...

nem haja fruto na vide...

ainda que decepcione o produto da oliveira...

e os campos não produzam mantimento...

ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas...

e nos currais não haja gado...

Veja que o profeta estava considerando as vias pelas quais as crises se apresentam, a expressão AINDA QUE revela que o profeta entendia a possibilidade, que as crises acontecem e que ela tem suas vias para nos assustar e nos deprimir. Porém Habacuque nos ensina algo poderoso para aqueles que estão enfrentando crises em sua vida.

Habacuque usa a expressão AINDA QUE, para reconhecer a possibilidade da existência das crises, mas ele usa uma palavra para declarar sua fé, TODAVIA. Talvez você não esteja entendendo, o que é que esta palavra diz? Ela expressa fé, pois evidencia que acima das crises tem a esperança de que O Senhor está conosco.

Quem vive em meio as crises não vê nada para se alegrar, porém Habacuque diz: 

eu me alegrarei no Senhor;

O que é que te traz alegria? O que te promove prazer, felicidade? Será que sua alegria não está condicionada a coisas que podem ser destruídas ou roubadas? será que você não está pondo sua esperança e recursos em coisas que são passageiras e isso te dá medo de perdê-las?

Habacuque tinha uma alegria, e esta não era em coisas que podem ser roubadas ou destruídas, pois em meio as crises o profeta continuava se alegrando NO SENHOR. Todos ao seu redor podem estar em guerras, mas VOCÊ TEM UMA ALEGRIA REAL, SE ALEGRE NO SENHOR.

As crises não podem roubar sua fé, as crises não podem roubar sua paz, as crises não podem roubar sua alegria, pois ela é O SENHOR!

Outra coisa que Habacuque nos ensina é:

exultarei no Deus da minha salvação.

Eu exaltarei O Senhor. Não tire o foco da tua adoração, não deixe que as pessoas, as lutas, as crises ou qualquer outra coisa impeça de EXALTAR AO SENHOR!

As crises sempre existirão, mas elas nunca serão maiores do que o poder do DEUS DA TUA SALVAÇÃO. Essa era a fé de Habacuque, esta deve ser nossa também.

Paz,


quinta-feira, 4 de maio de 2017

UM CHAMADO AO GOVERNO DE DEUS

"venha o Teu Reino; faça-se a Tua vontade, ASSIM na terra COMO no céu" Mt 6.10

Paz e graça, e mais desculpas pela demora em publicar textos reflexivos, mas realmente as inspirações não estavam vindo, mas acredito que O Senhor está me concedendo um novo momento para publicar textos que venham nos alimentar em Cristo.

Hoje quero falar um pouco sobre O GOVERNO DE DEUS, mas para entendermos como é este GOVERNO  e qual o seu chamado para nós, precisamos entender o que é um governo e quais as suas implicações.

O que é governo?
Segundo o site Wikipédia governo tem o seguinte significado: O Governo é "a organização que é a autoridade governante de uma unidade política";[1] "o poder de regrar uma sociedade política";[2] ou o aparato pelo qual o corpo governante funciona e exerce autoridade.[2] O governo é, usualmente, utilizado para designar a instância máxima de administração executiva, geralmente reconhecida como a liderança de um Estado ou uma nação.[3] Os Estados podem ter vários níveis de Governo conforme a organização política daquele país, como por exemplo os Governos locais, os regionais e nacional.
No direito administrativo contemporâneo, Governo é a expressão que define o núcleo diretivo do Estado, alterável por eleições e responsável pela gerência dos interesses estatais e pelo exercício do poder político.

Quais as formas de governo?
As formas de governo mais utilizadas no mundo atual são a monarquia e a república. Existem outras além dessas, porém pouco utilizadas ou nunca utilizadas. Na monarquia, existe uma família real liderada pelo rei ou rainha que governa o país. Até o século XVIII, na Europa predominou a monarquia utilizando o sistema absolutista, quando o monarca tem poderes ilimitados.[5] Na república, um governante assume o poder durante um período. Na inexistência de governo, denomina-se anarquismo.

...venha O Teu REINO ..."

O Governo de Deus é uma Monarquia, isto é, O Senhor é Rei absoluto de toda a criação. Um reino muito diferente do que vemos neste mundo, pois Paulo explica como ele é "Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo." Rm 14.17

Este reino pertence Ao Senhor, não há outros reis para que possam disputar este reino, Ele é o único Rei de sua Monarquia  Sl 47.7; Sl 103.19. 

"...faça-se a Tua vontade..."

Todo governo tem suas fronteiras, cultura, leis e povo, No Reino de Deus as leis que regem são oriundas de sua própria vontade, estas leis normatizam a cultura, delimitam suas fronteiras e conservam seu povo em um ambiente diferenciado dos demais, porém não é um reino físico, apesar do domínio de Deus abranger a terra e o universo, é um Reino celestial, o próprio Jesus disse para Pilatos que "Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo; se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui." Jo 18.36

A vontade do Senhor é expressa através das Escrituras, do Seu Filho e do Espírito Santo. Assim podemos ver em muitas vidas tocadas Pelo Senhor anúncios deste Reino, pois "E, interrogado pelos fariseus sobre quando havia de vir o reino de Deus, respondeu-lhes, e disse: O reino de Deus não vem com aparência exterior." Lc 17.20, Ele é expressado dentro dos corações e este externalizam com suas ações, ou obras e estas notificam que é chegado O Reino de Deus.

"...ASSIM na terra COMO no céu ..."

O Senhor Jesus na oração do Pai Nosso solicita que O Governo de Deus seja real aqui na terra como já o é no céu. Este deveria ser nosso pedido também, pois a vontade do Nosso Rei é que experimentemos sua boa, perfeita e agradável VONTADE que é vivida dentro do seu poderoso Reino.

UM CHAMADO AO REINO DE DEUS

"E, naqueles dias, apareceu João o Batista pregando no deserto da Judéia, E dizendo: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus." Mt 3.1 e 2

Todos os homens e mulheres estão sendo convidados a serem súditos do Reino de Deus, porém esta adesão só pode ser feita a partir do abandono de sua outra cidadania, ou seja, a cidadania terrena/pecadora, para assumir a Celestial/Eterna.

Vemos isso quando Lucas escrevendo Atos dos Apóstolos disse “Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam; Porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.”  Atos 17:30,31

VINDE AO REINO DE DEUS!