sábado, 27 de agosto de 2016

Série Crescimento Espiritual - Princípios de nossa Salvação

“E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados.” Mt 1.21

Apesar de todas as bênçãos que O senhor Jesus Cristo diuturnamente nos outorga, a maior de todas sem dúvida é a maravilhosa salvação concedida a nós no calvário.

A salvação que é dom gratuito de Deus (Ef 2.8-10), conquistado por Cristo está fundamentado em alguns princípios que são basilares para a verdadeira fé em Cristo e são estes princípios que estaremos apresentando aqui.

1.      Como ouvirão se não há quem pregue (Rm 10,14).
O primeiro princípio de nossa tão grande salvação é ouvir o Evangelho. A única forma de conhecermos e desfrutarmos de uma tão grande salvação é ouvindo o Evangelho de Cristo. Ao sermos confrontados com as verdades eternas de Cristo, O Espírito Santo nos conduz a uma compreensão acerca de nossa real condição espiritual, a qual pela fé aceitamos a graciosa bondade do Senhor de nos dar seu perdão pelo sacrifício de Cristo. Este é o Evangelho.
Estas preciosas informações devem ser anunciadas por aqueles que já desfrutam destas verdades maravilhosas, aos que necessitam ainda de receberem esta maravilhosa graça.

2.      Quem crer em Cristo como diz as Escrituras (Jo 7.38).
Há muitos pregadores e ensinadores em nossa geração, com doutrinas para todos os gostos e desejos, este deveria ser um alerta para nossa geração, mas infelizmente por não conhecermos As Escrituras não lembramos do que Paulo escreveu a Timóteo I Tm 4.1; II Tm 4.1-5, ou seja, as pessoas não iriam mais suportar a sã doutrina, teriam comichão nos ouvidos e escutariam doutrinas de demônios.
Nossa fé em Cristo deve estar de acordo com As Escrituras, caso contrário não devemos receber. O Evangelho tem como objetivo a salvação e as demais coisas serão ACRESCENTADAS Mt 6.33.

3.      Arrependei-vos, pois e convertei-vos (At 3.19).
Ao ouvir O Evangelho é necessário que tomemos uma posição espiritual a estas informações como disse Paulo em Ef 1.13 “Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa; A Palavra do Senhor nos leva a reflexão e está ao Arrependimento, posteriormente este arrependimento deve me conduzir a uma conversão, ou seja, uma mudança de vida promovida pelo Senhor.

4.      Justificados, pois mediante a fé (Rm 5.1).
O processo de salvação prossegue até a JUSTIFICAÇÃO, onde o homem agora de posse do presente da salvação é apresentado diante do tribunal eterno e O Justo Juiz de nossa vida declara-nos JUSTOS pelo Sangue de Cristo e nos promove a paz por este Ato.
A partir de então se cumpre o que diz Paulo em Rm 8.1 “Portanto, agora, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus.

5.      Aquele que está em Cristo nova criatura é (II Co 5.17).
Quem ESTÁ EM CRISTO tem todos os seus pecados perdoados e logo não podem sofrer condenação nenhuma, pois toda a dívida foi para A VISTA no calvário.
Este sacrifício tem total validade e alcance como diz João em sua primeira carta “Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.
I Jo 1.7

6.      Na casa de meu Pai há muitas moradas (Jo 14.1-5).
Herança é o que nos aguarda. Além de todas as promessas e benção outorgadas a nós por Cristo, um lugar nas moradas celestiais é uma das maiores promessas que nos aguarda.
Somos herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo de todas as bênçãos espirituais. Há uma vida eterna nos céus para você “Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida. Jo 5.24

Esses são estes princípios que a meu ver são necessários para que tenhamos uma certeza de salvação. Podem haver outros que cataloguem outros princípios, mas é inegável o que ora foi exposto com seus fundamentos bíblicos e conceituais.

Paz do Senhor,


sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Clean - Esquecendo-me das coisas que para trás ficam

"Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim," Fp 3.13

Paz do Senhor Jesus Cristo, sejam bem vindos a mais uma postagem do nosso espaço de crescimento cristão.

Hoje temos mais uma palavra que O Senhor nos Deus para os nossos cultos de Homens e Mulheres Empreendedores. Espero que você entenda o que Deus nos deu para despertar sua fé e tirá-lo do comodismo e das frustrações da vida.

Em nossas reuniões de Homens e Mulheres Empreendedoras, O Senhor tem nos dado uma série de Palavras com conceitos chave que uso com palavras chave para o bom entendimento, hoje a palavra é CLEAN.

Clean é um verbo inglês que significa limpo ou mesmo limpar com água. A ideia que se tem é de limpeza.

Dentro de nosso conceito chave significa limpar o passado, não deixar que as frustrações, perdas e lutas do passado travem nosso presente e dificultar o nosso futuro, ou seja, precisamos deixar as dores do passado no passado.

Esta é a orientação que Paulo trás aos Felipenses quando ele diz "esquecendo-me das coisas que atrás ficam," Essas coisas devem ser esquecidas, por que elas estão no passado. Porém muitas pessoas vivem em situações hoje que aconteceram no passado e o inimigo usa disso para engessá-las. Precisamos entender que no mundo teremos AFLIÇÕES, disse O Senhor, mas que nós deveríamos ter BOM ANIMO. Todas as frustrações, medos, perdas, quedas, falhas, situações vexatórias e tantas outras dores são coisas que devem ficar para trás e não impedir que avancemos.

Nas sagradas Escrituras temos um personagem que ilustra muito bem este conceito. Alguém que sofreu muitas frustrações, perseguições, grandes perdas, abandono, solidão e em todas estas situações ele conseguiu deixar o passado para trás e sempre avançou rumo ao alvo de sua Fé.

José, é um dos personagens mais emblemáticos das Escrituras, a narrativa do Gênesis disponibiliza 14 capítulos para mostrar a vida de José e de seus irmãos. José é o link entre os Patriarcas e Moisés.

Acredito que a maioria de nós conhece a História de José e por isso não vou me deter nos detalhes, quando eu lançar o Livro sobre este tema vocês poderão saber os lindos detalhes que O Senhor me deu. 

Mas vamos comentar alguns para que você se inspire e não deixe seu passado ou qualquer outra coisa frustar seu presente e muito menos destruir seu futuro.

Ao que tudo indica, José sempre foi alguém diferente dos demais, não que ele fosse melhor, porém José tomava atitudes que chamavam a atenção de todos os que estavam a sua volta. O texto sagrado diz como José era diferente dos seus irmãos, pois enquanto aqueles eram descuidados e gerenciavam os bens de Jacó de forma leviana, José como um BOM OBSERVADOR, sempre trazia relatórios da má administração de seus irmãos. Por este motivo sabemos como o ódio de seus irmãos se originou e ganhou proporções perigosas.

Por sua postura e seu cuidado com os bens de seu pai e lógico sua herança, Jacó ver em José alguém que poderia, quem sabe, até ser o próximo líder se sua família, pois Rubens o primogênito havia maculado seu leito e Levi e Simeão tinham dado um grande mau exemplo de gestão de conflitos no caso de Siquem. José parecia ser centrado e obediente, muito cuidadoso com os bens e os recursos que garantiriam a sobrevivência dele e de toda a sua família, enquanto seus irmãos eram o oposto disso. José é agraciado com uma linda túnica de várias cores, fato este que despertou ainda mais a ira de seus irmãos e deu um destaque a mais para José. Além disso José era um visionário, ele tinha sonhos de crescimento, porém estes não foram muito bem recebidos pelos seus familiares.

Algumas lições já precisam ser aplicadas neste momento.

1 - Faça sempre o seu melhor, não é por que você tem maus exemplos entre seus irmãos que você deve agir igual. Lembre-se, Deus nos chamou para fazer a diferença.

2 - Seja um bom observador, não é para andar curiando a vida alheia, mas seja um observador e aproveite para aprender o que puder. 

3 - Valorize os recursos de sua família, tanto espiritual como a sua família natural.

4 -  Seja critico com os erros, não os encubra, sempre relate, confesse e O Senhor lhe abençoará.

5 - Suas vestes espirituais sempre vão despertar a inveja de quem não tem os mesmos sonhos que você, mas entenda os sonhos são seus, então não queira que os outros entendam sua visão.

Por causa de seu comportamento e seus sonhos José foi desprezado por seus irmãos, jogado dentro de um poço seco e quase foi assassinado. Posteriormente foi vendido e acabou como escravo na maior cidade da época, passando a ser criado de uma das maiores autoridades egípcias. Longe de sua família e agora como escravo, José poderia ter se revoltado com o que aconteceu e se desgraçar, porém José soube deixar o passado no passado, e apesar de todas as lutas se aplicou em sua nova OPORTUNIDADE, não deixou que o passado atrapalhasse e acabou sendo promovido a MORDOMO de Potifar.

Porém em todo lugar vai haver invejosos e pessoas que querem fazer você perder o foco. Porém José tinha sonhos, tinha visão, José tinha seus olhos focados no Senhor Deus que nos dá os nossos sonhos e projetos. Foi jogado na prisão por calúnia e difamação, mas novamente essa situação não matou José, ele novamente deixou o passado de lado e se tornou o chefe da prisão aonde ele era prisioneiro.

AS PRISÕES DESTA VIDA NÃO PODEM PRENDER SEUS SONHOS OU SUA VISÃO!

Dentro da prisão José mostrou sua capacidade e O Senhor no momento certo colocou as pessoas certas da forma certa e mais uma oportunidade apareceu, mas novamente José honra Ao Senhor e demonstrando seu senso administrativo que começou na gerência dos negócios de seu pai, agora esses mesmos dotes administrativos e uma postura profissional exemplar leva José a ser a segunda pessoa mais importante do Egito.

José não deixou que o poço vazio o matasse, o poço continua vazio e José está em uma posição de honra, a escravidão e as humilhações não mataram José e mesmo na prisão continuou a crescer.

Sabe de uma coisa? Estas lutas são exatamente para preparar você para crescer e quando O Senhor te abençoar, você poder ser usado para aqueles que te jogaram no poço.

Então, limpe o passado e viva o presente. Não tire seu foco dos sonhos que O Senhor te deu "e avançando para as que estão diante de mim"

CLEAN, CLEAN, CLEAN!

Paz, 


segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Texto devocional - O Testemunho de um Ladrão (Parte 3)

Paz do Senhor, sejam bem vindos ao último post sobre o tema "O Testemunho de Um Ladrão". Espero que tenham sido edificados com este texto.

Então vamos lá para a última parte deste testemunho da Fé.

Não é um pedido é uma acusação, é um menosprezo, em meio à morte eminente um homem que sabe que é pecador não aproveita a oportunidade para pedir perdão ou mesmo demonstrar misericórdia por estar na mesma sentença, mas não, ele perto da morte, mostra soberba e ódio. Entendo algo, ele não quer perdão, ele quer descer da cruz e continuar vivendo em roubos, ele vai morrer, sabe que vai ser julgado por Deus e ainda assim não teme a Deus. Nós, nós somos pecadores, publicamente todos sabem qual nossa acusação, mas a acusação do galileu é de ser REI.

Não posso perder a minha oportunidade, sei que não mereço perdão, nem mesmo posso ter esperança, mas vou conversar com O Rei, quero uma última audiência, não vou poder descer da cruz, mas quero uma única petição, se Ele é Rei quero ficar na lembrança de um Rei. Respiro fundo, puxo dos meus pulmões um pouco de ar, levanto o tórax e a cabeça e faço minha petição. Talvez ninguém entenda, talvez ninguém creia, mas é uma oportunidade e esta eu não vou perder. Me lembro que O galileu tem um nome, muito comum, mas agora este nome comum está conhecido em Israel e o governador em três línguas declarou “ESTE É O REI DOS JUDEUS!”

Chegou a hora!

Jesus, lembra-te de mim quando vieres no teu REINO.

Esta é minha petição, este é o meu desejo. Sei que para mim acabou, sei que minha história acaba aqui. Sei que estou sendo crucificado por que mereço. Sei que meu destino já está traçado, mas quero um único lenitivo, que O Rei de Israel lembre-se que alguém ainda na morte reconheceu sua soberania, Ele é o meu Rei. Ainda que Ele esteja do meu lado em uma cruz, ainda que Ele esteja sendo injuriado por muitos nesta cena de morte, mas Ele é o meu Rei. Não posso morar com Ele, mas quero pelo menos que o meu Rei se lembre de mim.

O nazareno levanta a cabeça, Ele em dores olha para mim, será que eu o ofendi? Será que meu Rei está ofendido com minhas palavras? Será que O meu Rei irá me exortar?

“Em verdade, em verdade te digo que...”

Ai vem minha última sentença, é uma verdade, uma assertiva verdade do Meu Rei. Sou pecador e estou pronto, Pilatos já me condenou, o povo judeu já me condenou, os sacerdotes já me condenaram, só falta o meu Rei, estou pronto.

“... hoje estarás...”

Como assim hoje eu estarei? Hoje é o fim, hoje é o ponto final, hoje é o dia do último capitulo da minha história...

“...comigo...” Com o Rei? Estar com o Rei? Vou para o mesmo lugar do meu Rei? Eu estarei com o meu Rei? Ainda que seja no túmulo é melhor estar com o meu Rei, do que longe de Dele.

“...paraíso.”

Paraíso? Paraíso?! Como assim, Paraíso?

Eu não sou digno do paraíso, não sou digno de perdão, não sou digno de paraíso, mas é isso que O Meu Rei me diz,

“Em verdade, em verdade te digo que hoje comigo estarás no paraíso!”

O Meu Rei me perdoou e me deu o paraíso!

Já era quase a hora sexta, notei algo estranho. O céu escureceu e isso continuou até a hora nona. Noto O Meu Rei se mover, Ele se esforça para ficar ereto, e solta uma oração “Pai, nas tuas mãos entrego meu espírito!” Sua cabeça tomba sobre seu peito, Ele pára de se mexer. Um silêncio se apodera do momento, o qual é rompido por uma declaração de fé de onde ninguém esperava, um centurião romano deixa sair de sua boca a seguinte afirmativa “verdadeiramente, este homem era justo.”.

Aqueles que executaram sua morte declaram sua inocência. A terra treme o povo corre os sacerdotes fogem e aos soldados restam apenas cumprir com sua obrigação, garantir que nenhum dos sentenciados escape. Para isso, usavam um recurso terrível para garantir que ninguém fugisse, quebravam as pernas dos sentenciados, iniciam com meu companheiro de cela, passam pelo Rei e ficam impressionados por já está morto e furam seu lado com uma lança, do seu lado brota água e sangue.

O soldado chega-se a mim, com uma violenta pancada ouso meus ossos quebrarem-se e uma dor invade meu corpo, entrego-me ao sofrimento, pois minha alma está em paz, não vejo a hora de encontrá-lo no paraíso. 

Algumas pessoas se chegam à cruz do meu Rei, noto que é uma autoridade Judaica, juntamente com outras pessoas e tiram-no da cruz. Levam o corpo do meu Rei, foi à última vez que o vi nesta existência.

Estamos sós no gólgota, minhas dores vão aumentando, não ouso meu companheiro de morte, sinto minhas forças se esvaírem, minha alma está em paz, meu coração está bem é só esperar e o paraíso chegará.

Estou pensando no meu Rei e no paraíso e acho que ...

Paz e graça!


sábado, 13 de agosto de 2016

Poema "O Pai e eu"


Feliz Dia dos Pais, a todos os visitantes do nosso espaço de fé. Hoje quero parabenizar aos pais com um poema de minha autoria.


Espero que gostem.


O Pai e eu

Marcos Gama e Levi Gama



Quando eu estava no ventre materno,
Sem saber nada do destino meu...
Sempre sentia alguém perto.
Era o pai e eu.


Quando os primeiros dentinhos nasceram.

Eu tentei mastigar e muito me doeu.

Alguém me acalentava.
Era o pai e eu.


Quando os primeiros passos dei.

Levantando e caindo no mundo meu.

Senti alguém me ajudando.
Era o pai e eu.


Quando minha primeira bicicleta eu ganhei.

Muita alegria, e o prazer me envolveu.

Alguém estava comigo na aventura.
Era o pai e eu.


Quando por alguém o meu coração se encheu.

Sentimentos diferentes alimentaram o meu.

O meu mundo se ampliava com a ajuda de alguém.
Era o pai e eu.


Quando meu primeiro emprego consegui.

de novidades minha vida se envolveu.

Notei alguém me orientando.
Era o pai e eu.


Quando meu primeiro filho tomei.

De amor se encheu o mundo meu.

Ouvi os conselhos de alguém.
Era o pai e eu.


Quando as coisas ficaram difíceis.

E falava ... O meu mundo se perdeu.

Senti alguém me incentivando.
Era o pai e eu.


Quando os meus cabelos estavam embranquecendo.

E precisava do alento seu.

Senti a falta de alguém
Mas agora só era eu.


Quando a história parecia ter fim.
Um outro alguém apareceu.

Senti um conforto na alma.
Agora era meu filho e eu.


quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Texto devocional - O Testemunho de um Ladrão (Parte 2)

Paz do Senhor, 

Hoje vamos dar continuidade ao texto "O Testemunho de um Ladrão."

Caso este texto lhe edifique deixe um comentário e compartilhe com alguém, ok?

Então vamos lá!


Alguém grita “que o sangue deste, caia sobre nós e nossos filhos!”. Estão querendo matá-lo a qualquer custo, por quê? Ouso gritos “crucifica-o”, “crucifica-o”. Acho que o governador não quer matá-lo, acredito que o governador vai dar a sentença e por causa da páscoa vai libertar o galileu. Mas algo me assusta, “fora com este! Solta-nos Barrabás!” e novamente ouso a expressão “crucifica-o”. Barrabas corre até as grandes da cela, uma comitiva de soldados puxam-no e levam para fora das masmorras romanas e ganha a liberdade. Por fim alguém diz, o governador está lavando as mãos. Então não há culpa, não há crime, não há delito, apenas inveja e maldade da parte dos sacerdotes.

Uma revolta cresce dentro de mim, agora entendo o que diz meu companheiro de cela, ele deseja sair e continuar fazendo o que sabemos fazer, roubar, matar, violentar. Não há justiça, não há misericórdia, não há amor.

Vejo os soldados chegando com muita violência, chegou a hora. O meu desejo é lutar, brigar, matar alguém, mas a força romana é mais poderosa que meus intentos. Jogam uma cruz em minhas costas, nas constas do meu companheiro de morte, quando saio vejo um homem desfigurado pelas chibatadas, com um manto purpura ensanguentado, preso em suas feridas. A coroa de espinhos está cravada em sua fronte e para piorar colocam uma cruz em suas costas. O galileu lidera a comitiva de morte, pelo caminho que estão nos levando, parece que vamos ao gólgota, muitos já morreram ali, fica bem na entrada da cidade.

O galileu tomba várias vezes, acho que ele não vai conseguir levar a cruz até o monte calvário. Há uma mistura de choro e insultos, alguns pranteiam, outros jogam coisas no nazareno. Mulheres batem no peito, outros queriam bater no Rei dos Judeus.

Rei? Essa palavra não combina com a cena que estou presenciando. Como um rei pode ser tratado assim pelos seus súditos? Rei?! Como este homem pode ser Rei? Rei... quem sabe... Começo a delirar, ao rei cabe o perdão das ofensas cometidas pelo povo. Há! Se ele fosse um rei eu queria uma única audiência com este. Mas infelizmente, ele está indo para o mesmo lugar que eu vou e não há esperança para nós.

Alguém grita, o galileu caiu! Os soldados gritam mandando ele se se levantar, mas a cruz é muito pesada e as forças do nazareno estão muito limitadas. Um soldado romano olha em meio à multidão e obriga um homem a carregar a cruz do nazareno, por sua cor, parece ser um dos moradores de Sirene. A caminhada continua e já dá para ver o gólgota.

Estamos nos aproximando do lugar da execução, meu coração dispara, minha boca seca o medo invade a minha alma. Todas as cruzes são lançadas no chão e dão inicio a sentença, pregos nas mãos, pregos nos pés, cravam-nos no madeiro, as dores são insuportáveis, mas o galileu esta em silencio, parece com uma ovelha muda sendo tosquiada, ele não abriu sua boca. Levantam-nos, ficamos suspensos, nossos destinos estão traçados. A vista da cruz é turva e curiosa, autoridades blasfemam, soldados escarnecem e o povo assiste. Ouso alguém dizer “não salvou os outros, salve-se a si mesmo se é o Messias”? Eu me pergunto a mesma coisa, mas quando olho para a cruz do meio e tento ver como o galileu vai reagir. Quando estou tentando ver seu rosto, percebo uma tábua em cima de sua cabeça, noto que há uma inscrição, sei que há algo escrito em grego, romano e hebraico, fico a me perguntar, por quê será que escreveram nas três dais maiores línguas e em um lugar onde todos irão poder ver? Tento ler e estremeço quando entendo a mensagem “ESTE É O REI DO JUDEUS”. Como assim ele é Rei? Certamente o governador autorizou que escrevessem isso, e se não é verdade, como os sacerdotes não fizeram nada? Rei dos Judeus?

Rei! Estou perto de um rei, na verdade estou bem perto do Rei.  Ele pode perdoar pecados, então Ele não é apenas um rei, com o poder de perdoar, Ele é O Rei de Israel.

Enquanto estou em meio as minhas vagueações, ouso meu colega de cela gritar, será que ele sabe de algo? Será que ele quer uma segunda chance? Será que ele vai fazer uma petição? Fico tentando ouvir sua voz e minha alma se desespera quando ouso seu pedido. Não és tu O Cristo? Salva-te a ti mesmo e a nós também. 


Continua . . . 


sábado, 6 de agosto de 2016

Texto devocional - O Testemunho de um Ladrão (Parte 1)

Paz do Senhor, você gosta de textos devocionais? Vi que a história de um cego foi muito visitada por vocês, bem Deus me deu graça hoje e consegui escrever um texto parecido.

Como seria se um dos ladrões que foi crucificado com Jesus contasse como ele viu a crucificação e como isso lhe tocou? Quer saber? O texto é um pouco longo e estarei dividindo em três postagens ok?

Então vamos lá, espero que gostem! comentem, compartilhem e abençoem outras vidas, tá?

O Testemunho de um ladrão

É sexta-feira de manhã bem cedo, o medo invade minha alma, se aproxima a hora da execução de minha sentença. Meus maus caminhos me levaram a este momento. Minha acusação? Roubo. Em uma sociedade que tem duas leis é complicado não perder a vida por um motivo, que para mim não seria digno de morte, porém as leis romanas e principalmente a Torah, A Lei de Deus, não deixa impune os criminosos.

Tenho companhia em minha cela de espera pela morte, são outros dois criminosos, um recalcado em seu canto, calado e nervoso, o outro é bem conhecido, Barrabas. Barrabás é um sonhador, não deseja ser escravo de ninguém. Seu desejo é ser livre dos romanos e ver implantado o reino de Israel. Para isso ele foi ao extremo, liderando uma sedição que aos olhos de Roma é uma traição imperdoável, somando-se a isso um assassinato. Ele sabe que seu destino está traçado, na realidade, nós sabemos qual é o nosso destino, a cruz.

A execução por morte de cruz é a mais terrível e vergonhosa de todas as execuções romanas, pois além de nos humilhar publicamente, as dores são inimagináveis. Enquanto a morte não chega, em meio a sol, chuva, vento e poeira nossa vida vai minguando e os transeuntes que passam demonstram raiva e evidenciam uma justiça transvestida de maldade.

Em meio as minhas vagueações, vejo uma movimentação no pátio da guarda do governador Pilatos. Um grande murmúrio, uma multidão invade o pavimento e conversa com o governador, ouso a voz de alguns dos mestres e sacerdotes de Jerusalém. Será que eles vieram interceder por algum conhecido? Eu sei que na época da páscoa o governador sempre perdoa alguém, libertando-o de suas dívidas, mas se for isso, certamente não serei eu, pois minha vida não foi em meio a aristocracia judaica.

Passado algum tempo, vejo que o murmúrio diminui. Acho que a intercessão não funcionou, mas estava errado, novamente o murmúrio volta mais forte e ouso uma sentença, ele será castigado. Em seguida uma cena me chama a atenção, um homem é levado para o lugar do castigo, e iniciam as chibatadas. Eu não estou lhe reconhecendo, porém seu rosto me parece familiar. O castigo por chicotadas é sempre muito doloroso e maléfico, todavia os soldados parecem sentir um prazer descomunal com este criminoso. Acho que após aquelas chibatadas o governador irá soltá-lo, apesar de sair ferido, para não dizer quase morto, o que espera ele é a liberdade, enquanto a mim, uma cruz.

Já tinha visto muitos homens serem castigados com aqueles acoites, mas algo estranho aconteceu com este, pois, após o martírio, os guardas vestem-no com um manto purpura e cravaram uma coroa de espinhos em sua fronte, aquilo me deixou inquieto e curioso, depois vi quando os soldados se ajoelhavam na frente dele e diziam “salve Rei dos judeus!”. Rei dos Judeus? Rei dos Judeus? Agora acho que sei quem é este homem, eu ouvi alguém comentar sobre um rabino galileu que alguns diziam que ele era o Messias e que ele poderia ser o Rei dos Judeus.

Mas se é ele, por que estão fazendo isso? Por que os sacerdotes não intervêm? Por que o povo não se revolta? Eu ouvi falar tantas coisas deste rabi galileu. Os cegos veem, os paralíticos andam, as multidões são alimentadas, e já ouvi falar que até os mortos ressuscitaram. Quantos não comentam em Israel sobre seus ensinos, até os gentios já estavam querendo vê-lo. Quantas pessoas conseguiram uma segunda chance ao chegar perto dele, quantos não tiveram seus pecados perdoados por ele... Pecados perdoados? Há, como eu queria que neste momento os meus pecados fossem perdoados, como eu queria falar com ele, como eu queria uma segunda chance, nem que esta fosse à última.

De repente um soldado chega e agarra o galileu e com força e leva-o para o governador, fico tentando ouvir as argumentações. Pilatos assevera “O que este fez para merecer a morte”, os sacerdotes retrucam dizendo “se não matá-lo você é inimigo de César”, Pilatos comenta “mas vocês querem matar vosso Rei”? Os maiorais de Israel declaram, “O nosso Rei é César!”. Como os sacerdotes podem dizer uma coisa destas? Como o nosso rei é César? Não é isso que vejo pelas ruas o povo ansiando por liberdade e não escravidão. Como querer matar um rabino que trouxe tanta paz e esperança para nosso povo?

Continua...


quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Série Crescimento Espiritual - Guarda o teu coração

"Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida." Pv 4.23

Paz e graça. Novamente aqui estamos para comentar mais um texto bíblico e assim, fortalecer nossa fé.

Quando As Escrituras usam a palavra coração, ela pode ter alguns significados como: literalmente o músculo cardiovascular que bombeia nosso sangue para as veias e artérias, pode se referir também como significando a alma e no texto citado neste post evidentemente fala a respeito desta última situação.

Dentro de um pensamento tricotomista, o qual define o ser humano em corpo, alma e espírito,  a palavra coração na passagem que dá inicio a este post estaria de referindo a alma humana que é a sede dos sentimentos tanto bons quando maus.

Em outras passagens estes "sentimentos" também são chamados de frutos que procedem de dentro de uma árvore, esta se for boa, dará bons frutos, porém ser for mau, os frutos serão maus também. Assim do coração do homem, como afirmou o Senhor Jesus, procedem as saídas da vida, tanto as boas quanto as más (Mc 7.1-23).

Por este motivo é que o autor de provérbios nos exorta que tudo o que devemos guardar, guardemos o nosso coração, pois dele é que saem os frutos, ou melhor as decisões que determinaram as reações de nossas vidas. Cada ação nossa procede de um desejo ou intenção de  nosso coração, por este motivo precisamos ter cuidado com o que fazemos por intermédio do corpo, pois daremos conta disso.

Nossas ações são como sementes que poderão nos garantir uma boa colheita ou determinar muito sofrimento devido a semeadura errada.

Tome cuidado com o que passa dentro de você, tenha sempre certeza que O Senhor Jesus Cristo está no controle dos seus sentimentos ou certamente sua vida estará sob sua própria gestão e caso isso aconteça, você sofrerá muito. 

Para ilustrar este pensamento, uso um ensino do Senhor Jesus inserido no Sermão do Monte, quando exorta aos seus ouvintes que "Eu porém, vos digo, que qualquer que atentar para uma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela." Mt 5.28

Tome cuidado com seus pensamentos, pois eles são a principal zona de batalha da vida do cristão, por este motivo Paulo escrevendo aos romanos solicita no capitulo 12 que sejamos transformados pela renovação do nosso entendimento.

Assim, vigie todos os aspectos da sua vida, mas principalmente o seu coração.

PAZ,