sexta-feira, 30 de setembro de 2016

OS DESAFIOS DO CRISTÃO NA UNIVERSIDADE EM MEIO A PÓS-MODERNIDADE.

“O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar.” Mt 24.35

Paz do Senhor a todos os visitantes de nosso blog de crescimento espiritual. 

Hoje quero começar a postar alguns pensamentos sobre o seguinte tema "Os desafios do Cristão na Universidade em meio a Pós-modernidade". Lógico que não vou estar publicando um manual de como não se comrroper em meio as universidades, até por quê já existe e é a Bíblia, mas buscar juntamente com você pensar um pouco sobre estes desafios, ok? Quero receber comentários para discutirmos sobre o assunto, tá bom?

Vamos lá então;

Sonhos, projetos, conceitos, sociedade, grupos, pensamento critico, relações pessoais, familiares, profissionais e tecnológicas, descobertas, pós-descobertas, novas tecnologias que hoje são vendidas como novidades e amanhã são descartadas. Estes e tantos outros temas humanos e seculares descrevem, ainda que de forma superficial, nossa conjuntura social hodierna.

A contra ponto disto temos o pensar cristão, sua visão espiritual e ética de  uma vida de compromisso com O Reino de Deus, e as proposituras deste. Um viver conflituoso entre o viver cristão e o viver religioso demarca o que conhecemos ser cristianismo, o qual, em sua essência  advoga um só corpo e uma só vivência prática. Vemos hoje uma guerra conceitual das verdades em meios atos proféticos e vandalismos que  fragmentam a vida piedosa e ética do Cristo ressurreto.

Em meios a tantos desafios e questões que quase ninguém tem respostas seguras, continuamos vivendo e precisando viver. O mundo pode está um caos, mas ainda estamos aqui e se estamos vivos e porque precisamos viver. E em meio a esta turbulência os cristãos estão despertando para sua vida acadêmica, esta despertada pela vontade de produzir e construir uma história nesta existência e ao mesmo tempo buscar um viver santo para desfrutar a existência eterna em Jesus Cristo.

Em meio a isso, os cristãos, graças a Deus, estão indo aos bancos universitários para (graças a Deus de novo) estudar (O que eu espero sinceramente que o façam). Todavia, as estimativas mostram que grande parte destes cristãos em meio os cursos universitários naufragam na fé muitas vezes nos primeiros meses de curso, trazendo conflitos familiares e pessoais para os mesmo. Isso gera muitas questões e desconfortos espirituais para famílias, comunidades e igrejas que veem seus futuros membros indo embora tão rápida e desgraçadamente.

Mas qual a razão? Como podemos fazer uma avaliação disto e principalmente como prevenir tais situações? Será que tem como prevenir e se é para prevenir?
Você pode está se perguntando, como “Será que tem como prevenir e se é para prevenir?” Não é lógico que precisamos prevenir! Mas será que a ideia é prevenir mesmo, ou será que a necessidade de prevenção revela mais uma fraqueza da fé moderna?

Bem, não quero aqui ser o dono da verdade, nem muito menos dar sete passos para a vitória na universidade ou nas escolhas da vida. Mas quero levantar alguns questionamentos sobre essa relação cristianismo – universidade – pós-modernidade, quero falar sobre os desafios que os cristãos enfrentam nas universidades em meio a pós-modernidade.

O Primeiro desafio que vejo não está na universidade, nem na igreja, mas dentro de cada cristão. As congregações são formadas por cristãos, ou pelo menos deveria ser. Um cristão dentro de um conceito simples é um seguidor dos ensinos de Cristo por meio de uma relação de fé pessoal com ele. Um cristão é um estudante das Escrituras um observador dos preceitos da fé e um proclamador por vivencia e discurso de suas convicções. Como adorador ele tem uma comunidade cristã de referência onde ele diuturnamente recebe orientações de como exercer sua fé através de seus serviços, dons, bens, família e tempo. Esse cristão deve ter uma vida espiritual sólida não em preceitos humanos, mas baseada em sua relação pessoal com Cristo e sua Palavra, esboçando sua ética e suas convicções em cada aspecto de suas vidas. Tem suas relações sociais, profissionais, familiares e congregacionais sadias e em desenvolvimento.

Porém estes conceitos não podem ser aplicados para a grande maioria dos que hoje carregam o nome de cristão nesta era. Para tristeza de suas vidas, famílias e congregações, muitos são apenas sombras de fé em meio suas vivências, onde os desejos de um mundo passageiro tem muito mais gosto do que os princípios do Cristo. Ou seja, o primeiro desafio está na fé sem alicerce, destituído de fundamento espiritual próprio e imbuído de falácias, expressões de efeito e para minha tristeza anedotas espirituais.

Isso tem haver com uma identidade fragilizada e que não foi bem forjada, mas ao contrário aprendeu apenas contracenar nas novelas verdadeiras de sua existência como atores de suas próprias vidas, e nunca descobriram quem realmente são, ou o que realmente querem e para onde realmente estão indo e o pior não conhecem realmente o Cristo. Estes são presas fáceis em um mundo acadêmico cheio de conceitos e expressões liberalistas do que é viver e do que é o certo. As Escrituras já falavam deste momento da história quando Paulo escrevendo a Timóteo ele disse em I Tm 4.1-2 “Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios; Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência;” E em II Tm 4.2-4 “Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina. Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.

Continua . . . 

Na graça do Mestre


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Valores Individuais X Valores Coletivos - Princípios Gerenciais de Cristo (Última Parte)

Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Mt 6.33

Paz do Senhor a todos os nossos leitores, espero que estejam sendo abençoados com as postagens deste tema.

Minha oração é que O Senhor lhe conceda graça e vida através da sua Palavra. 

Vamos para a última postagem sobre o tema " Valores Individuais X Valores Coletivos - Princípios Gerenciais de Cristo.

Quinto Princípio é: EM UM GRUPO O IMPORTANTE É O TODO E NÃO APENAS O INDIVIDUO-O.

Este princípio parece até repetitivo, mas na verdade não o é.

Em uma sociedade individualista e programada para se preocupar só consigo mesma, saber valorizar o todo, vai definir muito de como a pessoa que está do seu lado é.

Quando eu me importo com a coletividade minhas ações sempre são ponderadas para o benefício do todo, porém se não me importo com o coletivo, certamente serei uma pedra na vida do grupo.

Assim quando for escolher os membros do seu grupo tenha cuidado em averiguar que tipo de visão esta pessoa tem, quais seus valores e princípios, se ele pensa somente em se dar bem as suas custas, se não quer colaborar, e apenas que receber a colaboração. Neste momento será a hora de pensar e mudar de integrante e procurar alguém que desfrute da mesma visão holística de vida. O profeta Amós disse algo sobre isso em seu Livro “Porventura andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?” Am 3.3

As guerras entre as equipes e grupos quais quer que sejam eles advém deste tipo de visão individualista e egocêntrica, que nada tem haver com os valores coletivos e muito menos que O Reino de Deus.

As vitórias serão acrescentadas quando entendermos que a vitória de todos é a minha vitória!


Na paz que excede todo o entendimento;



terça-feira, 20 de setembro de 2016

Valores Individuais X Valores Coletivos - Princípios Gerenciais de Cristo (Terceira Parte)

Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Mt 6.33

Paz do Senhor;

Vamos continuar falando sobre este tema "Valores Pessoais X Valores Coletivos. Oro ao Senhor que lhe conceda entendimento e crescimento espiritual.

Terceiro Princípio é: TODOS SÃO MERECEDORES DOS PREMIOS, DOS QUAIS TODOS TRABALHARAM.

Todos dizem “o pódio é meu”!
As olimpíadas Brasil 2016 terminaram e obtivemos bons resultados como no Voleibol Masculino que foi medalha de ouro e é tricampeão olímpico. Quando vemos a imagem de todos os jogadores subindo no pódio vemos que a expressão que iniciam os este tópico é verdadeira “Todos dizem o pódio é meu!” .

Este sentimento de conquista é de todos do time não apenas dos que jogaram mais de todos os que subiram no pódio. Nem todos entraram em quadra, mas todos são campeões. Nem todos suaram a camisa, mas todos ganharam a medalha.

ESSA É A VISÃO DO TRABALHO EM GRUPO OU EM EQUIPE!

Alguns podem trabalhar mais, outros podem trabalhar menos, alguns podem ter mais habilidade em um determinado seguimento, outros podem ter suas habilidades em outra área, nem todos estão diretamente no trabalho, mas o importante é que todos saibam que merecem. Pois se eles estão no grupo é porque eles podem contribuir no momento certo, ou seja, eles são necessários.
Os méritos são dos que fazem parte da equipe, os méritos demonstram que há valores naquele grupo. Os méritos definem a qualidade que aquele conjunto de pessoas, alunos, técnicos ou esportistas têm e que promoveram o ganho coletivo, ou seja, TODOS SÃO MERECEDORES.

Paulo expressa este pensamento ao jovem pastor Timóteo quando diz “Porque diz a Escritura: Não ligarás a boca ao boi que debulha. E: Digno é o obreiro do seu salário.” I Tm 5.18. No texto base deste estudo Cristo enfatiza está importância quando assevera que todas estas coisas vos serão acrescentadas.”. Esses acréscimos são para todos os que priorizarem o Reino de Deus e Sua Justiça, ou seja, todos que seguirem as orientações.

Quarto Princípio é: SERVIR AOS OUTROS É CONTRINUIR COMIGO MESMO.

Diferentemente de um projeto individual, o grupo ou equipe tem como estrutura algo que um só não pode fazer, ainda que ele tente, mas não tem como desenvolver a contento aquilo, pois é necessário a colaboração de alguém para que aconteça.

Quando algo depende mais de uma pessoa a ideia da CONTRIBUIÇÃO se faz necessária.

Contribuir não é só fazer minha parte da melhor forma que eu puder e esperar pelos outros, não, na verdade contribuir é promover que todos possam realizar a contento o todo. Alguns dizem já fiz o que esperavam de mim, agora é com os outros, e isso não é trabalho em equipe, isso é ajuntamento de metas individuais, e que depois precisará ser harmonizada. O trabalho em grupo requer que todos possam colaborar com tudo que tem, e acompanhar ajudando os que ainda estão concluindo o todo.

Em uma equipe meu trabalho só está finalizado, quando todo O Trabalho estiver concluído, e enquanto tiver algo para ser feito eu ainda tenho que contribuir no mínimo não atrapalhando.

Somente quando O Trabalho Todo estiver entregue é que o trabalho individual terminou também. Minha tarefa é ficar contribuindo com os demais sempre que necessário, pois é por isso que eu estou no grupo, posso contribuir, a meu ver pouco, mas este pouco foi importante para completar o todo, sem este pouco o todo não estaria completo.

Uma das ilustrações que Paulo faz acerca da Igreja é a simbologia do CORPO de CRISTO, no qual todos nós fazemos parte do corpo. Não há corpo completo se faltar algo nele, por mais simples ou menos importante, só podemos dizer que há um corpo completo se todos os membros estiverem nele. Assim Paulo diz que “E, se todos fossem um só membro, onde estaria o corpo? Assim, pois, há muitos membros, mas um corpo. E o olho não pode dizer à mão: Não tenho necessidade de ti; nem ainda a cabeça aos pés: Não tenho necessidade de vós. Antes, os membros do corpo que parecem ser os mais fracos são necessários; E os que reputamos serem menos honrosos no corpo, a esses honramos muito mais; e aos que em nós são menos decorosos damos muito mais honra. Porque os que em nós são mais nobres não têm necessidade disso, mas Deus assim formou o corpo, dando muito mais honra ao que tinha falta dela; Para que não haja divisão no corpo, mas antes tenham os membros igual cuidado uns dos outros. De maneira que, se um membro padece, todos os membros padecem com ele; e, se um membro é honrado, todos os membros se regozijam com ele. Ora, vós sois o corpo de Cristo, e seus membros em particular. I Co 12. 19-27


TODOS CONTRIBUEM PARA O TODO, SEM TODOS NÃO PODE HAVER O TODO.

Paz do Senhor,


quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Valores Individuais X Valores Coletivos - Princípios Gerenciais de Cristo (Segunda Parte)

Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Mt 6.33

Paz do Senhor, a todos os nossos visita espero que a primeira postagem sobre este tema tenha contribuído com sua fé e visão do Reino de Deus. Hoje vamos dar continuidade a nossa aplicação dos princípios de gerenciamento de Cristo e acredito que O Senhor Deus lhe dará direcionamentos para sua vida familiar, acadêmica financeira e acima de tudo uma vida espiritual fortalecida em Cristo.

CONTINUAÇÃO

Segundo princípio é: APRENDER A MOTIVAR PESSOAS PARA UM OBJETIVO COMUM.

Em grupos heterogêneos, como direcioná-los há valores comuns e logo a objetivos comuns? QUANDO HÁ UM BENEFÍCIO COMUM QUE SATISFAÇA A INDIVIDUALIDADE?

Como?

Você pode estar se perguntando como eu vou despertar o desejo de trabalhar pelo coletivo e o lucro deste VALORIZAR a individualidade?

Precisamos entender que todos os componentes do grupo estão no grupo por causa de algo que ele deseja, quer seja uma nota no trabalho escolar, quer seja por dinheiro, posição, troféus, ou mesmo pela felicidade da família. Veja quem trabalha e se submete a regras e investimentos quer que algo em troca, assim quando formos motivar nossos colaboradores a viverem princípios únicos e trabalharmos focando em um único objetivo para o grupo. Temos que levar em conta que este grupo saiba realmente o que vão ganhar SE TODOS tiverem o mesmo forco.

Jesus disse: “...buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça...”quando eu busco O Reino é porque eu faço parte dele, quando busco a justiça deste Reino é porque esta Justiça será aplicada em mim também, ou seja, os benefícios deste Reino que, apesar de ter um Rei, será de todos. Esso entendimento nos motiva para que queiramos buscá-lo, nos esforcemos, nos apliquemos e invistamos nosso tempo e recursos, pois sabemos que eles serão disponibilizados para nós.

Tenhamos por exemplo nosso país, a maior carga tributária do mundo se encontra em nossa nação, porém o que mais dói não é nem tanto o pagamento, mas sim não termos retorno DIGNO do que estamos investindo. Se a qualidade dos serviços fosse da altura do que é cobrado teríamos orgulho de pagar, pois estaríamos recebendo.

Se quisermos que nossos colaboradores e parceiros de equipe se empenhem em guardar os princípios e motivarem-se uns aos outros e lutarem por alcançar benefícios coletivos eles precisam ver claramente o benefício que lhes aguarda.

Não queira ganhar tudo sozinho aprenda a criar parceiros de crescimento, aprenda a dividir os lucros e criar pessoas que desejem estar junto de você com a mesma visão.

Continua... 

Paz, 


segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Valores Individuais X Valores Coletivos - Princípios Gerenciais de Cristo (Primeira Parte)

Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Mt 6.33

Paz do Senhor, espero que estejam sendo edificados com os textos que Deus nos tem dado a graça de publicar aqui.

Hoje estaremos trazendo mais uma postagem baseada na palavra ministrada no culto de Homens e Mulheres Empreendedores e espero que possa abençoar sua vida também ok? Então vamos lá.

Lidar com pessoas é uma tarefa muito complicada em qualquer instância, seja em um ambiente estudantil, acadêmico, esportivo, profissional ou mesmo eclesiástico, em todos estes espaços saber lidar com os diferentes e as diferenças é o ponto de partida para o progresso e o fortalecimento quer seja institucional, profissional e pessoal.

De todos os grandes líderes que já permearam este planeta, nenhum se iguala ao Senhor Jesus Cristo. Lógico que O Senhor não foi apenas um mero líder, Jesus é, foi e sempre continuará sendo o Filho de Deus, Rei dos Reis e Senhor dos Senhores. Mais em sua caminhada com os apóstolos. Jesus nos trás conceitos e orientações que nos ajudarão e muito em nossa missão de trabalharmos em grupo ou equipe.

Há hoje muitas obras que relatam estes princípios de gestão utilizados pelo Senhor, bem como palestrantes e até métodos para orientar pessoas e suas frustrações. Assim vamos observar nas Escrituras alguns destes princípios para gerenciar nossas vidas.

A primeira coisa que precisamos saber é o que norteiam as decisões destas pessoas, quais são os seus valores, quais são os ideais que os guiam? Antes de apresentar alguns princípios, precisamos definir os valores que determinaram estes princípios e ações.

Hoje as empresas procuram por profissionais que saibam lidar com várias situações de pressão, desafios, perdas, sinceridade, lealdade, verdade, confiabilidade, determinação, desejo de crescimento, proatividade, técnica e compromisso. Essas dentre outras qualidades pessoas que agregarão valores para o grupo ou empresa, e isso vai depender de pessoa para pessoa, bem como seu histórico familiar, escolar, acadêmico e profissional, pilares estes que definem que tipo de pessoa a empresa está contratando ou mesmo que tipo de pessoa será valorizada no grupo.

Primeiro princípio que precisamos cultivar é: ENSINAR VALORIZAR A COLETIVIDADE E NÃO A INDIVIDUALIDADE.

Todos os componentes de um grupo têm seus valores individuais, todos têm seus sucessos, experiências, projetos e desejos, todavia em um grupo precisamos apresentar esses valores como COLABORADORES dos demais e nunca como SUPERIORES aos demais. Embora haja alguém no grupo com mais habilidade, ou recursos, ideias melhores, no grupo isso deve estar à mercê do todo.

Todos devemos “BUSCAR PRIMEIRO” a mesma coisa, o mesmo alvo, os mesmos objetivos. Como fazer isso?

O Senhor Jesus certa vez disse em Mt 20.20-28, quando os filhos de Zebedeu através de sua mãe pediram para terem um destaque maior que os demais quando o Reino de Deus chegasse, Jesus lhes interpelou e mostrou-lhes que a individualidade não pode estar acima da coletividade e declarou o fundamento deste princípio “Então Jesus, chamando-os para junto de si, disse: Bem sabeis que pelos príncipes dos gentios são estes dominados, e que os grandes exercem autoridade sobre eles. Não será assim entre vós; mas todo aquele que quiser entre vós fazer-se grande seja vosso serviçal; E, qualquer que entre vós quiser ser o primeiro, seja vosso servo;” Mt 20. 25-27

Quando um grupo têm valores comuns, onde estes mesmos valores são trabalhados e guardados por todos, vemos ai também princípios em comuns, e logo uma única direção. “E como vós quereis que os homens vos façam, da mesma maneira lhes fazei vós, também.” Lc 6.31
.
Se desejarmos que nosso grupo, equipe de vendas, empresa, equipe esportiva ou mesmo nossa família cresça e tenha solidez precisamos de um conjunto de valores únicos e membros que saibam a importância destes valores. Não existe unidade sem valores definidos e cultivados por todos.


Minha individualidade precisa promover minha coletividade, e uma coletividade forte significa indivíduos fortes.

Continua . . .

Paz,


quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Série Crescimento Espiritual - Como nascem os heróis?



“E que mais direi? Faltar-me-ia o tempo contando de Gideão, e de Baraque, e de Sansão, e de Jefté, e de Davi, e de Samuel e dos profetas, Os quais pela fé venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas, fecharam as bocas dos leões, Apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram forças, na batalha se esforçaram, puseram em fuga os exércitos dos estranhos.” Hb 11.32-34

Paz do Senhor a todos os leitores deste espaço de fé e crescimento espiritual, hoje quero continuar na Série de Mensagens sobre Crescimento Espiritual, falando um pouco sobre as Guerras que enfrentamos e principalmente qual o objetivo delas, então vamos lá.

Todos nós amamos ler sobre os grandes heróis da fé. Um dos grandes clássicos literários dos crentes é o famoso livro “Heróis da Fé” de Orlando Boyer editado pela CPAD. Eles nos empolgam, motivam, nos levam a reflexões e muitas vezes nos impulsionam a desejar ser como eles, ou seja, não ser meros seres viventes, mas termos uma história de relação com Deus.

Todavia, precisamos entender como estes homens e mulheres simples como cada um de nós são chamados de heróis da fé.

Quando lemos a carta aos Hebreus, mas precisamente o capitulo 11que é costumeiramente conhecido como a galeria dos heróis da fé, vemos o autor fazer referências a vários destes homens e mulheres de Deus, tais como Moisés, Josué, Abraão, Raabe e tantos outros com suas histórias e legados. Mas muitas vezes não nos detemos nas circunstâncias pelas quais eles passaram, pelas perdas, sofrimentos, angustias, ou seja, AS GUERRAS que todos os homens e mulheres atravessam em suas existências.

No texto escolhido para esta reflexão vemos novamente o autor citar outros nomes, incrementando esta galeria de heróis, “E que mais direi? Faltar-me-ia o tempo contando de Gideão, e de Baraque, e de Sansão, e de Jefté, e de Davi, e de Samuel e dos profetas,” , são heróis, e seus nomes estão atrelados as sua histórias que possibilitaram este título, então fica a pergunta:

COMO NASCEM OS HERÓIS?

Não podemos falar de heróis sem falar de como eles ajudaram a alguém, como socorreram ou venceram algo. Os nomes dos heróis está atrelado a suas historias de superação ou de socorro, daí quero apresentar uma afirmativa que mudará sua vida e sua visão das lutas que você está atravessando.

OS HERÓIS SÃO FORJADOS NAS GUERRAS!

Poderia comentar esta afirmativa, mas quero usar de outro recurso, quero apresentar textos bíblicos que ilustram esse entendimento:

“Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.
Jo 16.33

“Se te mostrares fraco no dia da angústia, é que a tua força é pequena”. Pv 24.10

“Forjai espadas das vossas enxadas, e lanças das vossas foices; diga o fraco: Eu sou forte.” Jl 3.10

“Uns confiam em carros e outros em cavalos, mas nós faremos menção do nome do Senhor nosso Deus. Sl 20.7

Sabe, acredito que as provas e guerras Deus usa para forjar nossas vidas e sermos mais fortes em nossas vidas espirituais como diz Paulo em Rm 5.1-8. 

No texto desta publicação traz seis afirmativas que quero usar para concluir esta postagem:

1 - Os quais pela fé venceram . . .
2 - Apagaram a força do fogo . . .
3 - escaparam do fio da espada . . .
4 - da fraqueza tiraram forças . . .
5 - na batalha se esforçaram . . .
6 - puseram em fuga os exércitos dos estranhos.

Não vou comentar, quem sabe um dia nós falaremos de cada um destas expressões, mas hoje, quero só lhe dizer que suas provas estão forjando mais um herói para a glória de Deus.

Paz e Graça!